quinta-feira, 18 abril 2024

E ECONOMIA

Portugueses em Macau seguem tradição de oferecer dinheiro no Ano Novo Lunar

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A tradição de oferecer dinheiro no Ano Novo Lunar, para desejar sorte e afastar maus espíritos, tem origem há mais de dois mil anos na China e é mantida por muitos portugueses em Macau.

No momento de entregar um 'lai-si' no Ano Novo Lunar Rui Barbosa e Ana Dias respeitam o ritual. Manda a tradição que o portador deste pequeno envelope o faça com as duas mãos.

"Sempre que possível com as duas mãos", diz à Lusa a portuguesa. "Também sigo as regras da data em que se começa a dar", observa Rui.

Os envelopes 'lai-si', como se diz em cantonês (em mandarim é ‘hong bao’), são distribuídos na China e noutros países do Sudeste Asiático em ocasiões especiais, como casamentos ou durante o Ano Novo Lunar, que arranca já este sábado.

Pequenos, vermelhos - cor auspiciosa - e estampados com carateres dourados. Esta é a fisionomia mais comum dos envelopes, que, por esta altura, combinam com as ruas de Macau, carregadas de lanternas vermelhas ou outras decorações festivas, e lojas a vender posters com o deus da Fortuna, com mensagens de sorte, ou peixes, símbolo de abundância na cultura chinesa.

Os 'lai-si' têm especialmente um significado cultural, é uma forma de integração nos costumes do sítio onde vivemos”, diz Rui Barbosa.

A viver há 17 anos no território, o engenheiro civil nota que na área da construção esta é uma prática comum, talvez porque muita mão-de-obra seja oriunda da China continental e aguarde o gesto dos patrões.

Ana Dias, a trabalhar na área da promoção da língua portuguesa, tem 14 anos de Macau. Abraçou o costume por respeito às tradições e para "participar culturalmente na sociedade” em que vive. Admite que para quem tem rendimentos baixos, este “é um reforço simpático" nas finanças.

Os 'lai-si' significam transmitir votos de desafogo económico - os colegas chineses falam do dinheiro a circular”, continua.

Ana deposita notas de 50 ou 100 patacas (5,76 ou 11,52 euros) nos pequenos envelopes e oferece-os, por exemplo, aos porteiros do prédio onde vive, empregados de limpeza e filhos de amigos. Já Rui distribui os presentes monetários na semana a seguir às festividades, já que durante os feriados muitas pessoas estão fora.

Diz a tradição que os envelopes devem ser dados por casados a jovens solteiros, apesar de, hoje em dia, as fronteiras entre o que deve ou não ser feito estarem cada vez mais esbatidas. O mesmo acontece com a data de entrega, ou até com o valor ofertado.

Em Guangdong, a província mais rica do país, onde se inclui Macau, dá-se sobretudo 10 ou 20 yuan (1,3 ou 2,6 euros) e é um ato mais simbólico, refere Wang Yu, especialista na história cultural da China.

Mas se subirmos no mapa, em direção a regiões com economias mais fragilizadas, os valores podem disparar. O académico do departamento de História da Universidade de Macau sugere que esta é uma forma de ajudar pessoas com dificuldades ou até uma questão de estatuto: “Se der muito dinheiro, isso significa que tem dinheiro, que ganha bem”.

Na infância deste professor, situada na província de Anhui, no centro-este do país, a prática era marcada por um sabor agridoce. “Os meus pais estavam sempre ansiosos com o ano novo, porque tínhamos uma família grande e tinham de dar muito dinheiro”, recorda.

Era assim que o valor colecionado por Wang acabava por servir para pagar contas. "A felicidade durava só uma noite", diz.

Mas e qual é a origem dos 'lai-si'? Conta o académico que o hábito popularizou-se nas últimas dinastias chinesas, Ming (1368-1644) e Qing (1644–1911). No entanto, a ideia já data do período Han (202 a.C – 9 a.C; 25–220), em que se ofereciam moedas de metal com inscrições para afastar os maus espíritos.

O dinheiro adquire um papel central na dinastia Song (960-1279), sendo uma prática restrita a um grupo próximo do imperador. “A cultura comercial era muito popular e alguns académicos defendem que, se olharmos para as origens do capitalismo chinês, estas podem remontar à dinastia Song”, avalia.

Um hábito que se tem transformado e que procura hoje respostas para a revolução digital, com aplicações de telemóvel a permitirem que envelopes vermelhos virtuais cheguem ao outro lado do planeta.

Uma tradição materialista? Rui Barbosa fala num ato "essencialmente simbólico", à imagem do Natal com a oferta de presentes. Ana Dias reflete: “Simbólico por um lado, porque muitas pessoas que recebem também dão e vice-versa - a tal ideia do dinheiro a circular - e materialista, dentro do espírito pragmático chinês de valorizar o plano económico”.

Já o artista de Macau Eric Fok defende que este é um método útil para ajudar os mais novos a desenvolverem o sentido de poupança. E admite que tem uma preferência pelos envelopes físicos que "permitem o toque, sentir o calor".

Quem também não aderiu à tecnologia foi Ana Dias. “Embora sejam mais ecológicos, parece-me que os 'lai-si' virtuais perdem o encanto associado ao ritual”

Nos últimos sete anos, foram recolhidos 13,69 milhões de envelopes de 'lai-si' pelas autoridades locais, com a possibilidade de reutilizar 3,43 milhões, de acordo com dados da Direção dos Serviços de Proteção Ambiental.

09 fevereiro 2024

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

Amorim
6 days 15 hours

Que se diminua o consumo de bebidas alcoólicas

Amorim
6 days 15 hours

Reduzir custos que seja com a prata da casa.

Amorim
7 days 12 hours

Álcool mata e pode induzir à prática de crime. Aorendam.

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana.cv@gmail.com
asemanacv.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 / 9727634/ 993 28 23
Contacte - nos

Outras Referências