quarta-feira, 17 abril 2024

IMP pede parecer científico ao Instituto do Mar sobre o impacto da prática de Jet-skis na praia de Quebra Canela

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O Instituto Marítimo Portuário (IMP) revelou nesta quarta-feira que pediu um parecer científico ao Instituto do Mar sobre o impacto da prática de Jet-skis na praia de Quebra Canela.

O anúncio foi feito à Inforpress pelo presidente do Conselho Directivo do Instituto Marítimo Portuário, Seidi Santos, em reação às declarações da Associação Cabo-verdiana do Ecoturismo, que alertou sobre o impacto que este tipo de desporto acarreta para a vida marinha.

Seidi Santos diz respeitar o alerta dado pela associação, mas esclarece que o IMP não tem competência para gerir estas questões científicas sobre o assunto.

“Nós solicitamos ao Instituto do Mar um parecer sobre o assunto, precisamente para termos uma base científica sobre o eventual impacto do uso de jet –skis na praia de Quebra Canela (…) nós não temos como saber o impacto ambiental que essa actividade traz para a vida marinha”, adiantou Seidi Santos

O responsável clarificou ainda que a autorização concedida pelo IMP para a empresa que está a operar neste momento na praia de Quebra Canela foi uma “autorização temporária”, informando que no próximo mês termina o prazo de exercício da actividade.

“Uma autorização concedida para o limite temporal e numa época baixa de frequência de banhistas”, esclareceu, recordando também que foi concedida esta autorização com uma regulamentação “exaustiva” daquilo que são as medidas de segurança que deveriam ser acauteladas e respeitadas pela empresa que queira operar.

Argumentou ainda que o IMP “sempre autorizou” actividades do género nas várias praias do país, apontando que é uma prática que tem sido pacífica em qualquer praia.

Questionado se essa modalidade vai ser interrompida até que se tenha a confirmação de dados concretos sobre o impacto negativo para a vida marítima, este responsável asseverou que o organismo “não vai interromper a actividade, porque sempre foi uma autorização temporária”.

De acordo com a Associação Cabo-verdiana de Ecoturismo o motor de jet-skis que varia de 100 a 300 cavalos, produz níveis de ruído na faixa de 85 a 102 decibéis por unidade e cada vez que entra na água, a mota bate na superfície com um gole explosivo e com manobras rápidas e mudanças frequentes de velocidades, "perturbando" as espécies marinha.

"Espécies como baleia de bossa, tartarugas, peixes endémicos, peixes de importância comercial", especificou.

Recomendou, no entanto, que a prática seja feita na praia da Gamboa, pelo menos a 300 metros da zona costeira, onde a profundidade é mais de 50 metros, e que não é aconselhável, segundo Edita Magilevicinte, realizar essa actividade na profundidade de 10 a 15 metros, como no caso de Quebra Canela.

 

A Semana com Inforpress

28 de março 2024

José Anónimo
Impacto
E, porque é que não pedem um parecer aos utentes? Qual é o impacto se um jet-ski provocar um acidente a um banhista?
-1

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

Amorim
6 days 1 hour

Que se diminua o consumo de bebidas alcoólicas

Amorim
6 days 1 hour

Reduzir custos que seja com a prata da casa.

Amorim
6 days 22 hours

Álcool mata e pode induzir à prática de crime. Aorendam.

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana.cv@gmail.com
asemanacv.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 / 9727634/ 993 28 23
Contacte - nos

Outras Referências