quarta-feira, 17 abril 2024

P POLÍTICA

Autor José Luís Tavares sugere alteração ao protocolo do Prémio Camões

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O poeta cabo-verdiano José Luís Tavares sugeriu hoje uma modificação de protocolo do Prémio Camões, para que os laureados africanos possam receber a distinção no seu país, em vez de esta acontecer apenas em Portugal ou no Brasil.

Em entrevista à agência Lusa, na cidade da Praia, José Luís Tavares defendeu que premiados africanos de países com maior expressão ao nível da literatura, como Cabo Verde, Angola e Moçambique, deviam fazer a proposta.

"O protocolo original é determinado entre Brasil e Portugal e os países africanos são convidados a participar no júri, a título excecional", sem força "determinante", constatou o poeta cabo-verdiano, que reside em Lisboa e que também já fez parte do júri daquele prémio literário de língua portuguesa.

Se houver modificação do protocolo e os países africanos puderem "comparticipar" ativamente, terão "outra palavra a dizer" no Prémio Camões, no valor de 100 mil euros, instituído pelos governos de Portugal e do Brasil.

"Os escritores desses países também poderiam receber o prémio nos respetivos países, o que dignificava, em certa medida, o escritor e a literatura do seu país", insistiu Tavares, que está em Cabo Verde para o lançamento de novos livros.

O Prémio Camões visa distinguir um escritor cuja obra contribua para a projeção da Língua Portuguesa e foi atribuído pela primeira vez em 1989 ao escritor Miguel Torga (1907-1995).

Segundo o texto do protocolo constituinte, assinado em Brasília, em 22 de junho de 1988, e publicado em novembro do mesmo ano, o prémio consagra anualmente "um autor de língua portuguesa que, pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum".

Brasil e Portugal lideram a lista de distinguidos, com 14 premiados cada, seguindo-se Moçambique, com três, Cabo Verde, com dois, e Angola, com Pepetela mais o luso-angolano Luandino Vieira, que recusou o galardão em 2006, sendo o único a fazê-lo, até hoje.

Os dois únicos laureados de Cabo Verde são Arménio Vieira (2009) e Germano Almeida (2018), e José Luís Tavares, com mais de 20 anos de percurso e dezenas de obras publicadas, disse não o ter na sua lista de desejos.

"Os prémios acontecem se tiverem de acontecer: o meu fito, o meu horizonte é publicar obras relevantes, que contribuam para libertar a cabeça das pessoas", respondeu.

Tavares frisou que este é um daqueles prémios que não são atribuídos diretamente a livros, mas que têm "outras envolvências", em que os autores "não são tidos, nem achados", pelo que é algo que "não tira o sono" ao autor que celebra o aniversário no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, e que é tradutor de Camões para língua cabo-verdiana, o crioulo. "Como costumo dizer, já nasci ’camonizado’", afirmou à Lusa.

José Luís Tavares nasceu em 10 de junho de 1967, em Tarrafal de Santiago.

Na entrevista à Lusa, José Luís Tavares abordou ainda a relação entre escritores e a literatura na lusofonia, para assegurar que as "trocas e os intercâmbios são praticamente nulos", sendo tudo mais facilmente reconhecido quando se está na "antiga metrópole colonial", Portugal.

A Semana com Lusa

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

Amorim
6 days 2 hours

Que se diminua o consumo de bebidas alcoólicas

Amorim
6 days 2 hours

Reduzir custos que seja com a prata da casa.

Amorim
6 days 23 hours

Álcool mata e pode induzir à prática de crime. Aorendam.

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana.cv@gmail.com
asemanacv.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 / 9727634/ 993 28 23
Contacte - nos

Outras Referências