segunda-feira, 26 fevereiro 2024

Demolições em Angola diminuíram mas há famílias que continuam ao relento - ONG

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 O coordenador da organização não-governamental angolana SOS Habitat disse esta sexta feira , em Luanda, que as demolições diminuíram, por falta de capacidade financeira de potenciais investidores, mas persiste a violação dos direitos das famílias cujas casas foram demolidas.

Segundo Rafael Morais, muitas famílias continuam ao relento e, em tempo chuvoso, a situação piora.

“As demolições diminuíram porque vimos que as pessoas que eram detentoras de poder financeiro, naquela altura, hoje já não têm esse dinheiro para continuar a fazer obras. Estamos a ver muitos lugares que eram ocupados anteriormente, hoje abandonados, não estão a dar seguimento porque já não têm dinheiro, tendo em conta que o dinheiro que conseguiram presume-se que era de forma ilícita”, declarou.​​​​​​​

“A demolição é o último processo que devia acontecer, é um processo que respeita cláusulas, falo do processo de notificação das famílias, cadastramento das famílias, encontrar alternativa habitacional e, por último, demolir, o que só deve acontecer quando o local visado é para a construção de um bem público. Quando for para um bem privado o caso deve ser entregue ao tribunal”, referiu.

O ativista frisou que, em Angola, acontece o contrário, são feitas as demolições com o fim único de atender a um privado, “e as famílias ficam ao relento, não há nenhum procedimento legal para fazer o acompanhamento”, ou seja, “garantir o bem-estar da família”.

“Tem crianças, idosos, que hoje encontram-se numa situação cada vez mais difícil. Temos [zonas de Luanda] o Zango, a Areia Branca, nessa situação, na Quiçama, na Vida Pacífica, locais onde o Governo reassentou essas famílias, que não tem casas, elas continuam a passar uma situação difícil”, realçou.

Rafael Morais defendeu que, para as pessoas que vivem em casas de chapa, o Governo deve criar lotes para autoconstrução e disse que, apesar de diminuírem as demolições, estas continuam a acontecer, principalmente nas províncias de Benguela, Huambo e Luanda.​​​​​​​

O defensor dos direitos humanos apelou ao Governo a que as casas que foram recuperadas pelo Estado, no âmbito da luta contra a corrupção, sejam entregues a famílias interessadas em dar continuidade elas próprias às obras.

“Por exemplo, no Kilamba, na Vida Pacífica, tem projetos abandonados. Essas casas devem ser entregues sobretudo àquelas famílias de baixa renda. O Governo está a construir centralidades, mas são para famílias de média renda e temos famílias de baixa renda que também precisam. O Governo tem que olhar principalmente para essas famílias”, frisou.

A Semana com Lusa 

10 de Fevereiro de 2024

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

Tota
7 days 15 hours

CV nas mãos destes malfeitores, o povo está lixado. Porque para além de corruptos são incompetentes e diabólicos

Comentário bodona
21 days 6 hours

Parece que as coisas estão a complicar-se e de que maneira no Senegal.

Efrem Soares
27 days 12 hours

Para agradecer a reação positiva dos amigos no messenger, pelas mensagens enviadas, e propor para comentarem aqui no on

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana@gmail.com
asemana.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 | 993 28 23 | 9727634
Contacte - nos

Outras Referências