sexta-feira, 14 junho 2024

Receio de novo deslizamento de terras na Papua Nova Guiné leva à retirada de 7.900 pessoas

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

As autoridades da Papua Nova Guiné começaram a retirar cerca de 7.900 pessoas do centro do país devido à possibilidade de um novo deslizamento de terras, anunciou hoje um dirigente regional.

Estamos a tentar retirar”, declarou à agência France-Presse (AFP) o administrador da província de Enga, Sandis Tsaka.

“A toda a hora, ouvimos a rocha a partir-se. É como uma bomba ou um tiro e as pedras continuam a cair”, acrescentou.

A retirada ocorre depois de um deslizamento de terras ter praticamente destruído na madrugada de sexta-feira uma localidade daquela província.

O Governo de Papua Nova Guiné informou na segunda-feira que o deslizamento soterrou mais de duas mil pessoas e pediu formalmente ajuda internacional.

O número das autoridades é cerca de três vezes superior à estimativa das Nações Unidas, que era 670.

Apesar deste número, as equipas de socorro só encontraram até ao momento cinco corpos e a perna de uma sexta pessoa, informou hoje a AFP.

As estimativas sobre o número de vítimas variaram muito desde a ocorrência do desastre e não ficou imediatamente claro como as autoridades chegaram ao número de pessoas afetadas.

O ministro da Defesa da Papua Nova Guiné, Billy Joseph, e o diretor do Centro Nacional de Desastres do governo, Laso Mana, voaram no domingo num helicóptero militar australiano da capital Port Moresby para Yambali, 600 quilómetros a noroeste, para fazer um levantamento das necessidades.

A Papua Nova Guiné é uma nação em desenvolvimento, composta sobretudo por agricultores de subsistência, com 800 idiomas. Existem poucas estradas fora das principais cidades.

Com 10 milhões de habitantes, é também a nação mais populosa do Pacífico Sul, depois da Austrália, que tem cerca de 27 milhões de habitantes.

A Semana com Lusa

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

Antonio
17 days 10 hours

Que grande reflexão do Água Lusa!!! Bem enquadrado. Até os nascidos na era portuguesa não são valorizados.

Daniel Dias
21 days 15 hours

Coitado do Leão Vulcão. Perdeu o emprego.

liketerra
23 days 8 hours

A criminalidade Murdeira já é de muito tempo e inclui os proprios admnistradores condominio que mandam os guardas agridi

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana.cv@gmail.com
asemanacv.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 / 9727634/ 993 28 23
Contacte - nos

Outras Referências