quarta-feira, 17 abril 2024

Formas da humanidade

Votos do utilizador: 1 / 5

Estrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 

Há muitos prazeres no mundo. Eles se me adentram pelos meus sentidos. Não há prazer sem visão, audição, paladar, tato ou olfato. São meus sensores: captam a realidade e a conduzem ao meu cérebro. Já o meu cérebro faz mais do que perceber o mundo: ele o interpreta.

 

 Por Léo Rosa de Andrade *

 

 

Se somos – e somos – todos animais, somos um animal com esse plus. Esse tanto a mais que caracteriza o humano – esse apanágio da humanidade – é o que me importa: o humano pode ser educado e, alcançado certo patamar de educação, pode seguir educando-se a si mesmo.

Uma galinha tem os mesmos sentidos que eu tenho. Nisso somos iguais: humanos, galinhas, a bicharada. Qual a diferença? Uma diferença de condição gerou uma diferença de resultado. O cérebro humano primitivo (reptiliano) não é mais do que um cérebro de galinha.

Mas ao cérebro primitivo se foram, pelos milênios, sobrepondo camadas, até surgir o complexo e poderoso cérebro humano. Se retirarmos as camadas superiores, encontraremos um cérebro muito antigo que cuida de nossas funções vitais, equivalente ao da galinha.

Esse cérebro primitivo comanda as nossas reações “animais” (ou instintivas), que são iguais às reações de uma ave, uma cobra, um animal primitivo. Exemplo: se algo assusta uma galinha ou um humano, ambos os animais entram em síndrome (sinais) de emergência de Cannon.

É uma resposta do sistema nervoso autônomo: as pupilas se dilatam, sangue é aportado aos músculos de fuga ou luta, o coração acelera, a pressão sobe, o pulmão se expande, mais glicose, coagulação rápida, metabolismo celular intenso, pelos eriçados. A natureza nos toma.

Entretanto, em seguida, sobrepõe-se a diferença: a galinha só reage, não administra a reação; à salvo, esquece o ocorrido. O humano analisa o acontecido, faz contas. O humano, passado o susto, em boa medida, pode gerenciar as condições primitivas de seu cérebro.

Se somos – e somos – todos animais, somos um animal com esse plus. Esse tanto a mais que caracteriza o humano – esse apanágio da humanidade – é o que me importa: o humano pode ser educado e, alcançado certo patamar de educação, pode seguir educando-se a si mesmo.

Uma galinha não consegue dar-se mais do que é; seu cérebro limitado delimita-lhe a condição de galinha. A evolução humana nos fez “ilimitados”. Podemos tanto que parece que nosso cérebro não tem linhas de demarcação. Um humano recebe e pode dar-se condições além das genéticas.

Mas – curioso – muitos humanos não se dão humanização. Postos no mundo, não buscam ser tocados pela Civilização. Bestamente vivem a vida em termos menores do que a vida permite e pede. Outros humanos, contudo, transcendem essas condições: humanos que fazem a humanidade.

Há a humanidade como espécie: pura evolução. Há a humanidade como invenção da cultura: produção da História. Como espécie, somos todos iguais. Historicamente, as instituições que inventamos já nos declararam todos – e por isso alguns lutamos – em condições de igualdade.

Contudo, é inegável uma diferença (evito valorar) entre humanos. Nas boas ou nas más injunções do mundo, próximo da produção intelectual mais sofisticada ou longe dela, há quem esteja atinado diante de tudo e há quem não perceba nada. Há quem não se engaje na humanidade.

Exemplo: a curiosidade pela ciência ou o afetar-se pela arte. Claro, a explicação das coisas ou a expressão artística não sensibilizará uma galinha. Normal. Só que – aí é que está o busílis – a sofisticação da ciência ou o sensível da arte também não tangem boa parte da humanidade.

Não refiro os excluídos, à sua revelia, dos sistemas dominantes, dos que nascem em condições adversas e não têm chance de buscar condições adequadas de vida. Não trato, pois, dos alienados vítimas da abstração de meios materiais, mas dos optantes preferenciais pela mediocridade.

Como se estabelece a distinção? Não sei. Não sei se alguém sabe. Sei que está em voga um relativismo cultural que recusa essa distinção que faço. Demito o politicamente correto. Recupero e acentuo: há humano como espécie; há humano comprometido com a humanidade.

Estou seguro de que todos temos um enorme espaço qualificado no cérebro a ser ocupado pelo melhor do que já realizamos. O cérebro humano é grandioso no sentido de ter muitas capacidades, todavia não cuidamos de lhe ofertar o suficiente, não atendemos a sua grandiosidade.

Limites da existência, determinações objetivas: isso nos circunscreve a todos, mas não explica tudo. Muitos, mesmo no que podem, não se fazem a si, não se conduzem para depois das contingências. Há o sonhar com o além do horizonte, há o contentar-se com as bagatelas do caminho.

 

Doutor em Direito pela UFSC, Psicanalista e Jornalista.

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

Amorim
6 days 2 hours

Que se diminua o consumo de bebidas alcoólicas

Amorim
6 days 2 hours

Reduzir custos que seja com a prata da casa.

Amorim
6 days 23 hours

Álcool mata e pode induzir à prática de crime. Aorendam.

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana.cv@gmail.com
asemanacv.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 / 9727634/ 993 28 23
Contacte - nos

Outras Referências