domingo, 14 julho 2024

Insegurança:PAICV pede imediata nomeação de 132 agentes formados que o “governo mantém na gaveta”

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O PAICV afirmou hoje, em conferência de imprensa, que enquanto a insegurança pública continua a condicionar a vida dos cabo-verdianos, o governo mantém na gaveta a nomeação de mais 132 agentes devidamente formados há mais de seis meses, aumentando assim o exército dos desempregados. Por isso, conforme o deputado nacional Manuel Brito, a oposição pede, imediatamente, a nomeação destes agentes para o reforço da corporação policial.

Para conferencista, o descaso da situação neste momento tem a ver com a negligência da Administração e do Governo que prefere dispor de quadros devidamente formados e com recursos no orçamento do Estado, deixar em casa, há mais de seis meses, 132 agentes recrutados em 2022, que iniciaram a formação a 25 de julho do mesmo ano com término a 1 de março de 2023.

“São 132 quadros policiais jovens sendo 34 mulheres e 98 homens que vem passando por enormes dificuldades, sem poderem exercer qualquer outra atividade profissional, tendo muitos deixado de exercer atividades que exerciam antes do recrutamento”, ressaltou;

Segundo o mesmo, está-se diante de mais uma prova da ineficiência do Governo, liderado pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, em matéria de segurança e a demonstração de grande insensibilidade para com essas pessoas que seguiram para a carreira policial.

Situação grave de insegurança e no país

O deputado acrescentou que Cabo Verde conhece hoje uma variedade de crimes que vão desde assalto à mão armada, assalto a bancas, gasolineiras, autocarros, casas comerciais e mortes que nunca são descobertos os autores.

A Polícia Nacional desprovida de meios humanos e matérias suficientes, só faz rondas em viaturas e, em algumas esquadras em diversos concelhos do interior, às vezes dispõe de uma única viatura que quando estiver numa determinada missão todo o resto fica privado da necessária assistência em caso de afronta”, salientou.

O deputado informou ainda que o PAICV já apresentou bastas vezes propostas no sentido de pôr cobro à situação, mas o Governo responde sempre com números, com estatísticas, negando a dura realidade de insegurança que os cabo-verdianos vivem e enfrentam no dia a dia.

Falta de meios e saída massiva de policiais

Pedimos aumento de viaturas e meios de comunicação e a resposta é sempre muito insuficiente em relação às reais necessidades; As condições de trabalho dos agentes da Policia Nacional são muito precárias, carga horária excessiva, ausência do descanso semanal, tudo porque há insuficiência de recursos humanos”, apontou.

O conferencista destacou que, à semelhança de outros sectores, a Polícia Nacional enfrenta a questão de saída massiva de quadros para a emigração à procura de melhores condições de vida, para além da ausência de um plano para a substituição dos quadros que vão para a merecida reforma.

Essa fuga dos melhores quadros da polícia, com experiência profissional, pode pôr em causa e fragilizar a intervenção da polícia”, fez questão de alertar o deputado do PAICV.

120 Characters left


Colunistas

Opiniões e Feedback

António
3 days 7 hours

O melhor para ilha do Fogo

Antonio
9 days 8 hours

Quando reformar prefiro de longe ir à Universidade Sénior do que ficar a frequenrar bares e botequins com bebidas.

Daniela Santana
16 days 6 hours

Devemos todos fazer uma subscrição a favor do Leão Vulcão. Todos, todos, todos.

Pub-reportagem

publireport

Rua Vila do Maio, Palmarejo Praia
Email: asemana.cv@gmail.com
asemanacv.comercial@gmail.com
Telefones: +238 3533944 / 9727634/ 993 28 23
Contacte - nos

Outras Referências